• Servidor na nuvem ou servidor próprio: qual escolher?

    Postado por: BHS na categoria Cloud em e atualizado em 12 de novembro de 2019

    Você já se perguntou se seria melhor manter suas aplicações em um servidor na nuvem ou servidor próprio? A verdade é que não existe uma abordagem única para todo mundo. Essa resposta depende inteiramente do que é importante para o seu negócio. 

    Hoje vamos analisar os prós e os contras de cada um para te ajudar a descobrir qual opção funciona melhor para você. Mas, antes de fazer isso, vamos relembrar alguns conceitos básicos:

    O que é um servidor?

    Um servidor é um tipo de computador ou dispositivo que permite a transformação de dados. Seu objetivo é atender a solicitações do cliente. Um servidor entrega as informações solicitadas pelo seu computador (o cliente). Digamos que você (o cliente) peça um delivery de comida no Uber Eats (o servidor), que então entrega a você. Uma solicitação é feita e uma resposta é entregue.

    Ao configurar a infraestrutura de TI para sua empresa, você se deparará com inúmeras decisões de alto custo que estabelecerão a base para a infraestrutura de sua empresa. Nosso objetivo aqui é garantir que você faça a escolha certa para o seu negócio.

    Como escolher o servidor certo: na nuvem ou próprio?

    Um servidor pode ser de dois tipos:

    • Servidor local: é um servidor físico que uma empresa deve gerenciar e manter individualmente;
    • Servidor na nuvem: é um servidor virtual hospedado por meio da computação em nuvem. Neste caso, o gerenciamento é terceirizado para um provedor de cloud.

    Agora que você conhece suas duas opções principais, é hora de decidir qual servidor é o mais adequado para sua organização. Vamos comparar as duas opções em quatro competências principais: custo, segurança, escalabilidade e confiabilidade.

    Servidor próprio

    • Custo: é necessário um investimento inicial de capital maior para hardware e instalação. Depois que o servidor estiver instalado, provavelmente será necessário suporte e manutenção, o que significa ainda mais custos. Esse tipo de aplicação interfere até no consumo de energia elétrica da sua empresa. Além disso, você precisará de uma equipe dedicada;
    • Segurança: com um servidor próprio, a segurança dos dados está em suas mãos e é um processo muito mais manual. Por outro lado, você também tem mais controle sobre como gostaria de proteger seus dados. Para algumas empresas, isso é um ponto positivo, enquanto outras podem não ter o conhecimento necessário para proteger a rede de maneira eficiente;
    • Escalabilidade: trabalho manual e hardware / software são necessários para dimensionar adequadamente. Isso significa que, toda vez que você precisar aumentar ou diminuir seu servidor, terá que arcar com novos custos de infraestrutura;
    • Confiabilidade: servidores locais não dependem de uma conexão com a internet, por isso são considerados mais estáveis.

    Servidor na nuvem

    • Custo: em geral, os servidores na nuvem são pagos no modelo “pay as you go”, ou seja, pague por aquilo que você usa. Isso significa que você não terá que arcar com os custos de manter uma infraestrutura complexa que acabe sub ou super-utilizada. Sua empresa pagará uma assinatura mensal, que incluirá todos os serviços, até as possíveis manutenções. Além disso, os custos de um servidor na nuvem são fixos, o que auxilia a mantê-los sob controle;
    • Segurança: as soluções em nuvem dependem de medidas de segurança de terceiros, o que pode causar certos receios. No entanto, os melhores provedores de nuvem possuem equipes de segurança dedicadas para garantir a proteção dos seus dados. Além disso, o processo de backup de dados é automatizado, tornando-o mais rápido e fácil de resgatar no caso de alguma eventualidade ou auditoria de dados;
    • Escalabilidade: a principal vantagem de um servidor em nuvem, fora os custos, é a sua flexibilidade. Como o modelo é virtual, basta um clique para aumentar ou diminuir a capacidade do servidor de acordo com a sua demanda;
    • Confiabilidade: as soluções em nuvem dependem de uma conexão com a internet, por isso é bom garantir a qualidade do seu provedor de internet. Também, vale checar o nível de disponibilidade (medido em zeros) que o provedor de nuvem escolhido assegura para o serviço.

    Ainda indeciso? Há também a possibilidade de usar uma solução híbrida, que contenha o melhor dos dois mundos. Contudo, essa pode ser uma solução mais adequada para os grandes players do mercado.

    Pequenas e médias empresas podem ter na nuvem a possibilidade de ter acesso ao mesmo tipo de tecnologia e segurança que as grandes organizações, ao mesmo tempo em que mantém os custos controlados.

    Com dúvidas sobre como a nuvem funciona? Continue aprendendo e veja nosso infográfico desmistificando todos os detalhes da computação em nuvem para você!



    Compartilhe:

    Follow by Email
    Facebook
    Twitter
    LinkedIn

    Autor:

    Artigos Relacionados